Receba Nosso Feed

Receba Todas as Nossas Atualizações em Seu E-mail:

Páginas

terça-feira, 11 de junho de 2013

Vai um pedaço de carne aí?





Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.
1 Coríntios 6:12
Não tenho dúvidas de que muitos cristãos, nesses últimos anos, vêm se questionando quanto ao que diz respeito ao valor moral e conceito de espiritualidade observados na sociedade no decorrer do tempo. É nítido como esses valores e conceitos vêm a cada dia distando mais e mais daquilo que se é aprendido no seio de uma família cristã.

Há uma grande preocupação que permeia por entre os pais dos filhos destas gerações atuais. Hoje, os casais que sonham em ser pais já não se sentem tão seguros e certos de que seus filhos estarão imunes à esse avanço de promiscuidade e precocidade sexual.

A imoralidade foi lentamente, na verdade, sorrateiramente infiltrando-se e atingindo a inocência das crianças. A nudez estampada nas emissoras de tv de canal aberto; Músicas como "na boquinha da garrafa" do grupo É o tchan, "sabão crá-crá" dos Mamonas Assassinas, dentre outras, embalaram festinhas infantis com crianças vestidas de dançarina em movimentos sensualmente infantilizados. 

Esses "eventos" foram marcando as gerações, "precocizando" atitudes e idéias nas crianças, maculando os valores morais da família cristã. As crianças foram crescendo cercadas de imoralidade, agora, alguns adolescentes, jovens e adultos carregam em si, lembranças agradáveis de uma infância "divertida". Nas escolas, vemos garotinhas imitando dançarinas de um grupo chamado "bonde das maravilhas", fazendo movimentos sexuais em trajes vulgares às vistas de adultos que acham normal ou até bonitinho, engraçadinho. 

"Baba, baby"
As redes sociais têm sua contribuição na divulgação dessa promiscuidade agora transparente. Digo transparente, porque como uma porta de vidro, quase não se vê, deixando a dúvida: "Está aberta ou fechada?" Até que se chegue perto. Está ali, mas não parece.
Muitos jovens e até adultos cada vez mais querem mostrar algo na internet. Seja o que for. O que vale é passar uma boa impressão às pessoas. Ser interessante, popular, sair do anonimato, tem sido —não vejo outra explicação— o objetivo de tanta exposição.

Somos o lugar da habitação do Espírito Santo.  
Mas afinal, o que há de mau em postar fotos no facebook? Não há nada de mau. Postar fotos não é problema. A questão, na verdade, são as posições, as vestimentas, as caras e bocas, os seios que, propositalmente, saltam dos decotes, as microssaias, enfim, parece que a foto tem o objetivo de fisgar alguém, instigar nos outros algum desejo. 
Não é exagero. Você pode averiguar (até mesmo no seu próprio álbum) como as fotos tiradas em "close" têm menos curtidas, comentários e compartilhamentos do que as fotos de corpo inteiro, na academia ou na praia. 
É comum ver nesses tipos de fotos, as pérolas do tipo: "me dá teu telefone!", "gostaria de falar com você no batepapo", "ah lá em casa!". São frases que por si só demonstram, muitas vezes, a intenção "predatória" daqueles que comentam essas postagens. 

"Um tira-gosto"
Que tal ser mais uma ou mais um na vida de alguém? É assim quando o(a) jovem vive passando entre braços e abraços, ficando com pessoas em relacionamentos passageiros e sem compromisso, e consequentemente desagradando à Deus.
Vou citar os cachorros como exemplo para explicar essa idéia de ficar com um e com outro, essa exposição do corpo.
Quando estamos com um pedaço suculento de carne nas mãos e oferecemos isso aos cachorros, eles vão ficar latindo, pulando, pedindo até conseguir esse pedaço. Esses cachorros não vão desistir, e ainda que comam o pedaço de carne e lhes seja novamente oferecido outro, não vão rejeitar até que finalmente estejam satisfeitos. 
Você se torna esse pedaço de carne quando está se expondo na internet, os comentários dos "lobinhos" são a manifestação de desejo dos cachorros famintos. Ficar não é nada mais nada menos que dar o pedaço de carne para esses "animais", que quando estiverem satisfeitos e tiverem conseguido o que desejavam, simplesmente vão ignorar o pedaço de carne até que venha a fome, ou tenham enjoado de "picanha", desejando novamente a "maminha".
Agindo dessa forma você está dizendo: vai um pedaço de carne aí?Como que estivesse se oferecendo, e isso não é algo que Jesus gostaria de ouvir você dizer. Muitos desses encontram-se ainda em processo de libertação, e eu te pergunto: "- O que essa exposição sensual tem gerado no teu próximo?"
Então você pode responder: "É só essa pessoa não acessar minhas fotos." Nesse caso, fica claro que não somente essa pessoa, mas também você precisa de libertação. Como está escrito:
"Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma." 1 Coríntios 6:12
Apesar de parecer uma crítica pessoal a quem está nessa condição, vou antecipando que não é. Isso é zelo de Deus pelos príncipes e princesas que Ele tanto ama. 
Não é pelo fato de que todos estão fazendo, que eu posso fazer também. Está escrito: "Vós sois o sal da terra. Se o sal perde o sabor, com que lhe será restituído o sabor? Para nada mais serve senão para ser lançado fora e calcado pelos homens." Mateus 5:13

Nem toda boa intenção é uma boa invenção.
Algumas campanhas ditas "educativas", na verdade são sofismas, ou seja, idéias mentirosas vestidas com retalhos de verdade. Por exemplo, quem nunca ouviu a expressão "faça sexo seguro!"? Quantas campanhas realizadas? Quantos preservativos e manuais de sexo "seguro" são distribuídos para adolescentes? Quantos jovens iniciaram sua vida sexual confiando nessa "segurança"? Quantos decidiram enveredar pelo sexo antes do casamento escondidos dos pais, "escondidos" de Deus —talvez assim o imaginavam.
Prosseguem na satisfação dos desejos, "seguros" até que um dia, de repente, não haja preservativo. E então? A lascívia impregnada gritando no ouvido do jovem, "atentando" até conseguir consumar.
Que tal mais um pedaço de carne? 

Jesus pagou um preço tão alto por você, e o pecado faz desmerecer o Sacrifício de Cristo na Cruz do Calvário. Talvez você não saiba o real valor que você tem pra Deus. 
Assim é uma criança que troca uma moeda de 50 centavos por uma de 25 centavos, porque não sabendo o valor real de cada moeda, acha que o tamanho é que estima a sua importância.
Jovens que gostam de se exibir, ostentar, dissimular, enfim; não sabem o valor que têm para Deus. Uma importância que foi negociada e estimada pelo Sacrifício do Cordeiro de Deus.

É bom deixar de mexer com a carne, e trocá-la pelo sangue. O Sangue que lava todos os pecados. Ao invés de oferecer carne, fale do Sangue que foi derramado para a Salvação de todos.

Que Deus o abençoe.
Seja uma fonte de benção. Compartilhe vida e libertação. Divulgue este blog.
Por Flademir Bernardo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Enriqueça mais essa discussão com seu comentário.

Postagens relacionadas